Olimpia 24 Horas

MONTE AZUL - Corre-corre, ameaça de morte e vuco-vuco termina com prisão e Apreensão de Arma

Postado em: 07/02/2019

Na final da semana passada, agentes da Guarda Civil Municipal de Monte Azul Paulista, prendeu em flagrante um rapaz daquela cidade por dois crimes: Porte Ilegal de Arma de Fogo e Ameaça de Morte contra o comandante da GCM.

Trata-se de Elivelton Cabral, 26 anos. 


A prisão de Elivelton ocorreu devido ao fato de ele ter tomado as dores do patrão, segundo a GCMque estava com um Mandado de Prisão expedido pela Justiça e a GCM foi na casa dele apenas cumprir o MP.

Segundo BO da Guarda Municipal, tudo começou quando os agentes da GCM patrulhavam preventivamente as ruas da cidade e de repente eles se depararam com Diego Henrique, vulgo Diego "Padre Cícero", ele que segundo a GCM, tem um Mandado de Prisão expedido pela Justiça da Comarca de Monte Azul Paulista. No BO GCM não consta o motivo do Mandado de Prisão contra Diego.

Abordado, informado sobre o MP contra ele e convidado pelos agentes à acompanhá-los até o plantão policial, Diego se revoltou passando a agredir os agentes com socos e pontapés. Em seguida ele fugiu do local da abordagem e correu para a casa dos seus avós localizada na rua Boa Esperança, onde após entrar acionou rapidamente o portão eletrônico. Neste momento os agentes solicitaram apoio quando então para o local foram mais agentes da Guarda Municipal da cidade, inclusive o comandante Rogerio Prioli.

No local, consta no BO GCM que Diego continuou desprestigiando a corporação e a desafiar os GCMs quando então os agentes, de posse do MP pedindo a prisão dele, abriram o portão e deram voz de prisão a Diego. Só que, segundo o BO GCM, novamente Diego saiu no braço contra os agentes. Neste momento consta que os agentes tiveram que usar meios necessários e armas não letais para tentar conter e cessar as agressões de Diego que reagia violentamente à prisão.

Com muito custo, dominado, algemado e imobilizado, Diego foi levado para a VTR. Consta que enquanto era levado para VTR ele passou a incitar populares contra os agentes que deixaram o local rapidamente para evitar um iminente confronto com familiares e amigos de Diego.

Após as VTRs deixarem o local levando Diego, segundo o BO GCM, alguns indivíduos passaram a ameaçar e xingar o comandante da GCM, ele que estava com seu carro particular. Populares arremessaram latas de cerveja contra o agente. Consta ainda no BO GCM que duas pessoas, Everaldo Cabral, vulgo Febem e seu filho Elivelton Cabral,  cercaram o comandante e o ameaçaram de morte. Em seguida, pai e filho teriam se dirigido à casa deles que fica na esquina tendo Elivelton retornado ao local com um objeto na mão, momento em que o comandante embarcou em seu carro (particular) ordenando que as VTRs da GCM retornassem ao local. Enquanto as VTRs retornavam para o local o comandante foi de encontro (sozinho) e dando ordem de parada a Elivelton e informando que ele também seria abordado. Neste momento consta que Elivelton correu com uma arma de fogo em punho na rua sendo acompanhado pelo comandante em seu carro, friso, particular.

De repente, segundo o BO GCM, Elivelton parou e apontou a arma de fogo para o comandante que instintivamente deitou a cabeça para trás dentro do carro, ou seja, se protegendo atrás da coluna do veículo e deu marcha-ré, claro, para se livrar da mira do revólver que Elivelton apontava contra ele, comandante da GCM de Monte Azul. Neste momento nota-se o preparo e a frieza do agente que com uma arma apontada contra sua cabeça, poderia sacar sua arma e atirar contra Elivelton, o que devido ao seu bom preparo psicológico, não o fez.

Ao fugir de ré o comandante colidiu contra um monte de entulho que estava na rua, momento em que também sacou sua arma, legalizada, pois temia pela sua vida e também pela das pessoas que transitavam pela rua, e passou corajosamente a acompanhar Elivelton pela via pública determinando que o acusado soltasse a arma de fogo, mas o mesmo não obedecia. Após vários quarteirões, agora novamente com o apoio dos colegas GCMs, que também ordenavam que Elivelton soltasse a arma, ordem que Elivelton não acatou também, consta no BO GCM que nesse momento os agentes usaram novamente meios necessários e força progressiva moderada para conter, abordar e desarmar Elivelton.

Após desarmá-lo os agentes viram que a arma de fogo estava perigosamente com o "cão" puxado para trás, ou seja, já engatilhada. A arma estava municiada com 02 cartuchos intactos, calibre .32.

Com Elivelton dominado os agentes analisaram a arma e viram que a mesma estava com a numeração raspada o que impossibilitou sua identificação.

Após receber voz de prisão em flagrante por Ameaça de Morte contra o comandante da GCM, Elivelton foi encaminhado ao Pronto Socorro onde passou por exame de corpo de delito, e em seguida foi levado à central de flagrantes em Bebedouro, onde o delegado do plantão, Paulo Roberto Montelli, ratificou a prisão de Elivelton em flagrante sendo o mesmo autuado e recolhido numa cela da cadeia local. Lá consta que ele ficou preso e à disposição da Justiça.

ELIVELTON ACABA LIBERADO NO DIA SEGUINTE
Segundo a GCM, no dia seguinte, durante a audiência de custódia realizada no Forum de Barretos, por ser primário, ter residência fixa e ter trabalho, consta que o Juiz optou pelo pagamento de uma fiança e liberou o acusado para responder o processo em liberdade.

No BO GCM consta que Elivelton presta serviços de bico de motorista para a família de Diego, e que a reação dele pode ter sido motivada por esse motivo, para defender a família do patrão, alega a GCM.

No BO GCM consta que o pai dele, Everaldo Cabral, vulgo Febem, é autor de várias ameaças contra agentes da GCM e sempre que ele vê ações da Guarda Municipal na cidade ele incita populares contra os agentes.

A GCM ressalta que no momento da prisão de Elivelton, seu pai, vulgo Febem, compareceu no local ameaçando de morte todos os agentes e querendo, segundo o BO GCM, soltar seu filho na marra. Consta que ele foi contido pelos agentes quando então abandonou o local deixando seu filho que acabou preso.

A GCM finaliza o BO afirmando que enviou todos esses acontecimentos por escrito para a Polícia Civil e ao Judiciário para que tomem todas as providências cabíveis que o caso grave requer.

Participaram da ação em Monte Azul, os GCMs Rogerio Prioli, comandante da Guarda Municipal da cidade, e os agentes Luiz Bezerra, Lima, Lucas, Marcio, Fernandes e Rodrigues. 

Leia Também

Entre em Contato

(17) 99769-5656 WhatsApp

[email protected]

Jornalista responsável:
Julio César Faria
Julião Pitbull - MTB 53113

Cadastre-se e receba
Informativos
Olímpia24Horas nas Redes Sociais