Olimpia 24 Horas

CAJOBI - Homem é preso após ameaçar esposa mas passa mal e morre durante o registro do caso

Postado em: 05/10/2019

Na noite deste sábado, 05, o morador de CajobiMarcio Perpétuo da Silva, 48 anos, conhecido como Márcio do Laíde, ex-peão e campeão de Rodeio na cidade, mas atualmente trabalhando como caminhoneiro, acabou morrendo após ser preso por equipes da Polícia Militar da cidade e passar mal enquanto o caso de Ameaça/ Violência Doméstica/Lesão Corporal e Resistência era registrado na delegacia de Olímpia. 

Segundo o pouco que conseguimos apurar até agora, não se sabe ainda o que causou sua morte, se foi algum problema de saúde ou um ataque. Segundo informações extra-oficiais, portanto ainda devem ser confirmadas ou não, ao ser preso ele teria ficado muito alterado e até queria se matar, mas foi demovido da ideia, contido por policiais e levado para o PS de Cajobi. Lá, segundo a PM, ele teria sido medicado, mas depois, durante a apresentação da ocorrência na delegacia de Olímpia, ele passou mal e levado para a UPA24horas, acabou entrando em óbito. Friso novamente, não se sabe ainda a causa da morte, o que se sabe é que a prisão ocorreu dentro dos protocolos usados pela Polícia Militar. 

Enquanto policiais tomavam as medidas cabíveis para resolver a situação quanto ao corpo, outros policiais registram o caso na delegacia de Olímpia como Ameaça/Violência Doméstica, pois segundo a PM, Marcio teria Ameaçado sua Esposa durante um desentendimento familiar em Cajobi, momento em que a PM foi chamada e Marcio acabou preso pelos policiais. E, além de Ameaça/Violência Doméstica, o caso também está sendo registrado como Lesão Corporal, Resistência e Morte Suspeita já que não se sabe o que causou sua morte tendo em vista que sua prisão ocorreu dentro dos padrões e protocolos usados pela PM, importante ressaltar essa informação.

Pelo que apuramos ainda, Marcio era pessoa muito conhecida na cidade e trabalhador. E, além de já ter sido Campeão de Rodeio em Cajobi, ele também teria sido candidato à vereador nos pleitos de 2012 e 2008 ficando apenas como suplente.

O caso ainda está em andamento e sendo registrado na delegacia de Olímpia. A PM e a Polícia Civil ainda estão definindo se o corpo será levado ao IML ou se a polícia técnico-científica (equipe de perícia) virá em Olímpia periciar o corpo de Marcio. Como ainda não tivemos acesso ao BO/PM, vamos aguardar para dar mais detalhes seguros e corretos sobre o triste caso ocorrido neste sábado em Cajobi.

AGUARDE MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O CASO EM CAJOBI...


INFORMAÇÕES OFICIAIS CONFORME O BO/PM
Segundo o BO/PM que tivemos acesso - devido a complexidade e desenrolar dos fatos que vararam a madriugada - somente neste momento (9h36 da manhã deste domingo, 06), uma equipe de polícia ostensiva, formada pelos experientes policiais de serviço naquele momento, Cb Marcio e Cb Ávila, foi despachada pelo Copom para o local dos fatos iniciais, Rua Ulisses de Paula Monteiro, 824, centro de Cajobi, onde segundo as informações, um homem ameaçara sua esposa e filha de morte, bem como encontrava-se bastante alterado e a procura delas na rua. De imediato os policiais voaram para lá.

Durante o caminho os policiais receberam novas informações dando conta de que o agressor Marcio estaria agora pela Rua Missael Anacleto de Souza, onde realmente ele foi encontrado pelos policiais, na altura do númeral 1,341, cercado pelos Guardas Civis Municipais de serviço naquele momento, GCMs Rafael, Alexandre, Ednaldo e Zico, eles que tentavam a todo custo dialogar com Marcio.

De acordo com o BO/PM o autor Marcio encontrava-se visivelmente transtornado, fora de si, descontrolado, agressivo, iracundo, violento e sob efeito de álcool ou outra(s) substância(s) psicoativa(s), sendo que se confirmou sumária e superficialmente que ele ameaçara de morte sua esposa e filha e que estas, teriam fugido de casa correndo pela rua, e, no caminho teriam encontrado e pedido socorro aos citados GCMs., que de imediato as orientaram à buscar atendimento médico na Santa Casa da cidade.

Uma vez que já o avistavam a certa distância, os GCMs abordariam e deteriam Marcio enquanto a Polícia Militar não chegasse. E, desde então, os GCMs tentavam dialogar com Marcio, porém sem sucesso já que Marcio estava irredutível. Diante da situação os GCMs então apenas impediram que ele, cercado, deixasse o local.

Com a chegada dos policiais no novo local, uma vez inteirados dos fatos e da situação, a PM assumiu o sítio da crise, tentando também o diálogo direto com o autor Márcio, porém, seu comportamento oscilava, ora se auto lesionava batendo sua cabeça contra árvores e outros objetos, asseverando que desejava a morte, inclusive pedindo até que nele os policiais atirassem, ora outra, ameaçava os policiais de agressões ou lesões caso se dele os Policiais se aproximassem, proferindo muitos xingamentos em voz alta, num verdadeiro surto psicótico.

Neste ínterim, a PM acionou uma equipe do SAMU de Cajobi, comparecendo então no local rapidamente a enfermeira Ligiane e o motorista Evandro.

Mais um considerável tempo foi investido na tentativa de que com ele (Marcio) fosse estabelecido o diálogo para em seguida acalmá-lo e demovê-lo de suas declaradas más intenções até de se matar, inclusive, contudo, sem êxito mais uma vez, culminando com o ápice da crise quando Márcio dirigiu-se em direção à rodovia que ali margeia, afirmando que se lançaria contra os veículos transeuntes na perigosa pista, o que forçou à imediata intervenção dos Policiais e GCMs pelo emprego de força física moderada, meio menos lesivo à disposição naquele momento ali, onde o Cabo Ávila, por meio de um empurrão quedou-o ao solo e, uma vez no chão, tentou ali imobilizá-lo. Todavia, dada à sua forte compleição física, Marcio pôs-se de pronto em pé novamente e investiu violentamente contra o militar, desferindo-lhe um soco no rosto, cuja esquiva insuficiente ainda restou lesionar levemente seu nariz, seguido do recrudescido entrevero corporal de ambos e, com o apoio do Cabo Márcio e demais GCMs, após muito esforço, conseguiu-se o algemamento do autor Marcio evitando que o Policial Cb Ávila fosse agredido mais ainda.

Ainda segundo o BO/PM, nem mesmo assim o autor Marcio se deu por vencido, e com as pernas se debatia violentamente contra os policiais, restando imperiosa a imobilização também de seus pés, o que se deu por amarramento com uma corda, protocolo utilizado por PMs, Bombeiros e Socorristas em caso de pessoas com surto psicótico. Preso as algemas, assim, finalmente Marcio estava imobilizado, porém ainda agitado e muito violento foi colocado na viatura do SAMU e levado à Santa Casa local, onde a médica plantonista, Dra. leda, o examinou, ainda no interior do veículo de socorro (SAMU), atestou seu estado físico e clínico de surto psicótico por meio de laudo, bem como prescreveu-lhe uma medicação calmante, conforme aduz em suas declarações, medicações estas, aplicadas pela enfermeira Ligiane. Ainda no local foi examinado o policial ferido, Cabo Ávila, e atestou-se a existência de fato de uma lesão corporal leve em seu nariz, fruto do soco desferido pelo autor Marcio contra o Policial.

Ocorre que, o efeito esperado da medicação em Marcio tardava em manifestar-se,  de modo que o autor, mesmo imobilizada na VTR do SAMU, ainda se debatia, vociferava e até proferia ameaças de morte ao Cabo Ávila, que mesmo já ferido no nariz, com um violento soco, não abandonou seu posto, mas sempre apoiado pelos colegas Cb Marcio e GCMs presentes.

Neste ínterim, no contato realizado com as vítimas, a esposa Cláudia (44 anos) e a filha M.E.S. (15 anos), estas, manifestando expressamente o desejo pela persecução penal e deferimento de medidas protetivas contra Marcio, pois temiam por suas vidas caso ele retornasse ao lar, pois segundo o BO/PM, era contumaz em ameaçá-las. Tudo isso, aliado aos crimes contra os Policiais e GCMs, foi dada voz de prisão em flagrante à Marcio, in tese, por subsunção das condutas aos tipos penais insculpidos nos artigos 147 do Código Penal, sob o manto protetivo da lei 11.340/06, combinado com os artigos 329 e 129, ambos do Código Penal. Em seguida, com as cópias dos citados laudos médicos em mãos os Policiais e GCMs iam se dirigir ao plantão da Polícia Civil realizado na delegacia de Olímpia, onde o caso seria registrado inicialmente apenas como Violência Doméstica, devido a Ameaça contra a esposa e a filha, e também Resistência à Prisão além de Desacato e Ameaça aos Policiais e GCMs. Na delegacia, da parte das vítimas, esposa e filha, inclusive seria postulada uma Medida Protetiva para que Marcio não retornasse ao lar onde poderia ameaçar as vítimas novamente e com possibilidade até de sérias consequências.

Ocorre que, o autor Márcio ainda se apresentava alterado e agressivo, bem como, por prescrição também da médica, lhe era ministrado oxigênio, e devido a este fato, os policiais acharam por bem que ele fosse conduzido na própria ambulância para a delegacia de Olímpia onde o caso seria registrado. E assim se fez, com a concordância da médica,  acompanhamento e cuidados da enfermeira Ligiane e do GCM Alexandre.

Segundo o BO/PM, quando da chegada dos policiais no plantão policial em Olímpia,  antes mesmo que eles desembarcassem, aquele que até então se portava irriquieto na ambulância, de repente se aquietou no caminho, sendo percebido pela enfermeira que possivelmente Márcio tivera uma parada cardíaca, o que foi prontamente  iniciado processo de massagens e manobras de reanimação, enquanto o destino da ambulância era alterado agora para a UPA 24 horas de Olímpia devido ao estado de Marcio naquele momento e para que ele fosse socorrido novamente, agora na UPA 24 horas de Olímpia.

Mediante escolta de emergência eles deram entrada com Marcio na UPA de Olimpia onde infelizmente constatou-se ele já chegou sem vida, restando ao médico plantonista, Dr. Lucas, apenas constatar sua morte, entretanto, declarando-se impedido de atestar formalmente seu óbto em laudo,  situação informada à autoridade de polícia judiciária,  delegado Dr.  Rodrigo Souza Ferreira, que então deliberou o encaminhamento do corpo ao IML de Barretos mediante a lavratura do BO/PC número 1248/19 de natureza Morte Suspeita.

Ainda em sede policial, deliberou o delegado a lavratura de outro BO/PC número 1246/19, este de Ameaça/Violência Doméstica e ainda um outro BO/PC número 1247/19, este de Lesão Corporal, tendo como vítima o Cabo Ávila,  ao que se vislumbrou a omissão quando ao crime de resistência,  porém isso já não importava mais, ante a perda do objeto operada pela inesperada morte do autor Marcio.

Diante dos fatos todos os dados e fatos foram informados ao Comandante do 4°GP/PM/Cajobi, 3°Sgt PM Paneque, que via cadeia de comando retransmitiu os fatos aos demais superiores. Era o que havia à relatar, finaliza o BO/PM.


Levado para o IML de Barretos o corpo deverá ser liberado mais tarde aos familiares para que sejam providenciados o velório e sepultamento de Marcio, o que ainda será decidido já que depende do horário da liberação do corpo pelo IML de Barretos.

AGUARDE INFORMAÇÕES SOBRE O VELÓRIO, DIA E HORA DO SEPULTAMENTO DE MARCIO...

Leia Também

Entre em Contato

(17) 99769-5656 WhatsApp

[email protected]

Jornalista responsável:
Julio César Faria
Julião Pitbull - MTB 53113

Cadastre-se e receba
Informativos
Olímpia24Horas nas Redes Sociais