Olimpia 24 Horas

A CIÊNCIA confirma que a internet está mudando o cérebro humano

Postado em: 10/07/2019

Fonte: Unsplash.com

A gerações mais antigas memorizavam tudo: datas importantes, endereços e números de telefone. Antes, as pessoas podiam desenhar um mapa de qualquer lugar de sua cidade natal com os nomes das ruas. Hoje em dia, pelo menos um terço da população diz nem saber o número de telefone do parceiro.

A internet está mudando a maneira como o cérebro humano funciona e uma equipe internacional de pesquisadores está descobrindo a maneira como isso se dá. A equipe estudou a concentração, as memórias e os impactos sociais de uma vida vivida online e estas foram as descobertas:

Foco fragmentado

"As principais conclusões deste relatório são que altos níveis de uso da internet podem, de fato, afetar várias funções do cérebro. Por exemplo, o fluxo ilimitado de inputs e notificações da internet nos incentiva a manter constantemente a atenção fragmentada - que, por sua vez, pode diminuir nossa capacidade de manter a concentração em uma única tarefa”, disse o Dr. Joseph Firth, um dos responsáveis pelo estudo.

O simples de ato de se sentar para jantar e deixar o telefone em outro cômodo pode gerar um grande desconforto em alguns, já que uma parte do cérebro está sempre ocupada com o mundo online. Mesmo se concentrar em um jogo pode ser complicado: o relatório observou que depois de apenas seis semanas participando de um jogo de RPG online, os participantes tiveram reduções significativas na região do cérebro associada ao controle de impulsos e à tomada de decisões.

Há quem pense que todo esse malabarismo de informações esteja ajudando as pessoas a serem cada vez mais multitarefa: utilizando um fone de ouvido, um teclado e um mouse na mão, é possível trabalhar, se divertir e ainda ler as notícias. Errado de novo.

Pessoas multitarefa tiveram um pior desempenho nos testes que incluíam mais de uma tarefa do que aquelas que passaram menos tempo conectados. Aqueles que passam mais tempo online também têm menos massa cinzenta para ajudar a manter o foco diante de uma distração.

Por que lembrar de alguma coisa?

"Dado que agora temos a maioria das informações factuais do mundo literalmente ao nosso alcance, isso parece ter o potencial de começar a mudar as maneiras pelas quais armazenamos, e até assimilamos, fatos e conhecimento, tanto na sociedade como no nosso cérebro", disse o Dr. Firth.

Embora a geração atual siga aprendendo, ela não está realmente aplicando esse conhecimento. As informações recebidas online não são armazenadas a longo prazo porque todos sabem que o Google estará lá amanhã com as respostas necessárias.

Já as crianças que estão crescendo na era da internet não têm lembrança de um momento em que as respostas para qualquer pergunta não estavam prontamente disponíveis. A combinação do foco fragmentado com a necessidade urgente de procurar respostas na internet significa uma mudança radical para a espécie humana. A Organização Mundial da Saúde recomenda que as crianças com idades entre  2 e 5 anos não passem mais de uma hora em contato com telas eletrônicas ao dia.

Quem precisa de amigos?

Talvez a descoberta mais assustadora esteja relacionada à sociedade como um todo. Com todas as respostas online, os humanos estão começando a ver livros, amigos e até mesmo a comunidade como "redundantes". Por que pedir ao avô que ensine a construir uma mesa quando o YouTube pode fornecer o melhor tutorial?

Sobre isso, o professor Jerome Sarris disse: "Acredito que isso, junto com a crescente istagramificação da sociedade, tem a capacidade de alterar tanto a estrutura quanto o funcionamento do cérebro, como também do nosso tecido social".

Como recuperar seu cérebro

Preocupado com os desdobramentos da tecnologia na sua vida? Siga estes passos:

?       Pratique técnicas de mindfulness

?       Reduza a multitarefa online

?       Controle o número de vezes que você checa as notificações do seu telefone

?       Diminua o uso da internet à noite

?       Pratique atividades físicas

?       Pratique mais atividades em grupo

O que o futuro reserva?

Na conclusão do relatório, os pesquisadores concluem: “Para o bem ou para o mal, já estamos realizando um experimento em larga escala de uso extensivo da internet em toda a população global”. Embora não se saiba os efeitos a longo prazo dessa hiperconectividade, a população já está conectada na maior parte do tempo e, embora um mundo conectado traga benefícios, não se sabe como isso afetará a sociedade e as pessoas.

Leia Também

Entre em Contato

(17) 99769-5656 WhatsApp

[email protected]

Jornalista responsável:
Julio César Faria
Julião Pitbull - MTB 53113

Cadastre-se e receba
Informativos
Olímpia24Horas nas Redes Sociais